Quem passa por cá

.

.
Vejam a lista de cientistas que estão no Mentes. UPDATE 07/01/2014

Projecto ENCERRADO Projecto II/2013- vida nocturna no meu jardim.
Vejam AQUI as CONCLUSÕES

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Marlin e Nemo, os peixes palhaço que vivem no nosso imaginário

 

O Peixe Palhaço entrou no imaginário das crianças e até dos adultos com o filme da Pixar, quem não se derrete com aquele ser às riscas!?.


Este peixe simpático vive no mar e apresenta-se sob a forma de 30 espécies diferentes, todos muito coloridos. As cores mais comuns são sem dúvida aquelas que apresentam o Marlin e o Nemo, o laranja e branco às riscas.


Como são peixes de água quente preferem locais como o Oceano Pacífico ou o Mar Vermelho para viver. Ao contrário da ficção simpática da Pixar, o peixe palhaço é agressivo e muito territorial.

Os peixes palhaço são hemafroditas
Segundo alguns autores os peixes palhaços vivem em grupos altamente hierarquizados. 
Cada grupo é constituído por uma fêmea e vários machos, se a fêmea morre um dos machos maiores e dominantes assume o seu lugar alterando o sexo transformando-se assim em fêmea, este processo de transformação acontece em várias espécies e permite a continuação das mesmas de forma eficiente.
Assim sendo os peixes palhaço nascem machos e tornam-se fêmeas depois de adultos.

A simbiose com a anémona
Os locais mais comum para encontrar o peixe Palhaço são os tentáculos da anémona do mar. A anémona do mar  é um predador que utiliza os tentáculos para capturar as suas presas. Os seus tentáculos, depois de tocarem na presa funcionam como um género de arpão que injecta uma toxina na presa e a deixa paralisada.
O peixe palhaço é imune a estas toxinas, os investigadores acreditam que o seu corpo é coberto com uma camada viscosa que lhe permite "divagar" em constante movimento pelos tentáculos da anémona sem ser afectado.
Nesta divagação o peixe palhaço alimenta-se dos restos das presas da anémona e ao mesmo tempo mantém-na livre dos tentáculos mortos, para além disto este peixe também utiliza a anémona como "escudo" mantendo os predadores longe. Esta é uma relação de simbiose, uma relação de "ganho-ganho".

Voltando ao filme certamente se recordaram do seu inicio... o Marlin não saía "de casa" há muito tempo porque tinha medo de ser apanhado pelos peixes grandes. Logo a seguir ficamos a saber que o Nemo tem de se esfregar nos tentáculos diariamente.


Nome científico: Amphiprion percula
Reino                  Animalia
Filo                     Chordata
Classe                 Actinopterygii
Ordem                Perciformes
Família               Pomacentridae
Gênero               Amphiprion
Espécie              Amphiprion percula


fontes:http://tolweb.org e http://life.bio.sunysb.edu

Et voilá!
São estes pormenores que fazem do filme um grande filme.


Divirtam-se!


3 comentários:

mfc disse...

Obrigado pela tua paciência e einteresse em nos dizeres estas notícias que me enchem de prazer.

Debbie disse...

Ola! Passei aki para desejar uma ótima semana e informar porque estive afastada esses dias do blog. Por causa da universidade.:P
Estarei te visitando com mais frequência, se Deus quiser, logo.
Não querendo ser chata... senti sua falta no Através das Cores...
Nunca mais deixou um Oi por lá.... hehe.
Bjus

Clara disse...

Não é preciso paciência, só paixão! Uma vez perguntaram-me para que serve o conhecimento se não for partilhado... e realmente partilhar é a melhor maneira de o valorizar.

Oi debbie, desculpa mas tenho andado tão distraida com outras coisas que não tenho tido paciência para esperar que o meu PC abra as páginas dos blogs, cada um demora uma eternidade neste computador do tempo do D Afonso. Mas vou lá!

Um abraço

Dê uma olhadela

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...