Quem passa por cá

.

.
Vejam a lista de cientistas que estão no Mentes. UPDATE 07/01/2014

Projecto ENCERRADO Projecto II/2013- vida nocturna no meu jardim.
Vejam AQUI as CONCLUSÕES

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Impressões digitais

A ponta dos nossos dedos deixam uma marca única quando pegamos num objecto. A forma dessa marca é conhecida pelos investigadores criminais como: Arcos, verticilos e curvas. Suas formas são conhecidas pelos examinadores de impressões como: arcos, verticilos e curvas. Essas linhas são formadas pelas elevações da nossas pele e são denominadas no seu conjunto por impressão digital.


O padrão de curvas é o mais comum – encontrado em 60% da população mundial.


Evolução na história:
Em cerca de 2000ac, na babilónia, se utilizavam as impressões digitais para evitar falsificações de documentos, estas eram impressas em peças de barro e acompanhavam o0 documento, como um certificado de autenticação.


Corria o ano de 1880, quando o médico britânico Henry Faulds, apresentou pela primeira vez a ideia de identificar pessoas pelas marcas nos dedos. A esta técnica chamamos de datiloscopia. As impressões digitais reinaram nos laboratórios forenses até ao desenvolvimento de técnicas de análise de ADN. Neste momento a análise de ADN é muito mais utilizada mas a datiloscopia continua a ser utilizada.


Como se faz?
Os criminalistas tiram amostras das impressões digitais no local do crime e depois comparam-nas com as impressões retiradas dos dedos dos suspeitos. Hoje em dia estas impressões digitais são digitalizadas informaticamente e guardadas numa gigantesca base de dados. Estas bases de dados permitem identificar com maior rapidez os suspeitos, sem estas bases de dados este procedimento demoraria muito tempo e obrigaria os investigadores a recorrer a equipas de analistas muito extensas, não se justificando em alguns casos, tal atribuição de recursos, as impressões não eram utilizadas para identificar o suspeito mas sim para confirmar a sua identidade.


Hoje vamos "tirar" as nossas impressões digitais:


Precisamos de:
  • Um lápis de carvão,
  • Um papel, tipo papel cavalinho,
  • Uma folha de papel branco,
  • Fita cola,
  • Marcador.
Como fazer:
  1. Com o lápis, risquem o papel cavalinho até que ele tenha uma enorme bola preta/cinzenta, do tamanho da falange do vosso dedo polegar;
  2. Risquem mais um pouco, sempre por cima da primeira marca, um pouco mais e... tá bom;
  3. Esfreguem o vosso dedo indicador na marca que fizeram no papel;
  4. Cortem um pouco da fita cola;
  5. Coloquem-na por cima do vosso dedo sujo, pressionem um pouco, e tirem-na;
  6. Colem a fita na vossa folha branca;
  7. Com o marcador identifiquem o dedo a que diz respeito a impressão;
  8. Repitam o procedimento para os outros dedos, se necessário risquem a vossa marca um pouco mais, no final não se esqueçam de lavar as mãos;
  9. Façam a mesma coisa a outras pessoas aí de casa, reparem na singularidade de cada um deles.
Et voilá!
Agora saberemos quem foi à caixa das bolachas!


Divirtam-se!

Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 58

Saturno é o segundo maior planeta do sistema solar mas também é o mais leve. Se houvesse uma banheira grande o suficiente para meter lá dentro Saturno, esta flutuaria na água!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Lápis personalizado para este início de ano escolar


As aulas vão começar, começa a correria ao material escolar, eles querem a última moda, o lápis da série de televisão, o estojo mais aerodinâmico, os cadernos todos com imagens dos seus heróis. Nós até não nos importávamos de lhes dar essas coisas todas, não fossem elas tão dispendiosas.
Hoje o que vos trago é uma ideia para eles próprios criarem os seus próprios lápis partindo de um lápis perfeitamente normal. Eles vão criar um lápis de autor, igual ao deles não vai haver nenhum, eles vão sentir-se especiais e únicos.

Precisamos de:
  • Lápis com borracha,
  • Cola,
  • Contas de várias cores e feitios,
  • Cerca de 20cm de fita, daquelas usadas na costura, pode ser comprada nas retrosarias,
  • Tesoura.
Como fazer:
  1. Com muito cuidado retirem a borracha do lápis, cuidado para não a partir;
  2. Cortem um pedaço de fita com cerca de 20cm comprimento;
  3. Escolham a primeira conta que querem colocar na fita;
  4. Passem uma das pontas da fita pelo centro da conta;
  5. Segurem as duas extremidades da fita forcem a conta a ficar no centro desta;
  6. Escolham a segunda conta e façam passar ambas as pontas da fita pelo seu centro, de seguida empurrem-na para baixo até ficar encostada à primeira;
  7. Coloquem na fita as outras contas, na ordem que entenderem;
  8. Quando tiverem o tamanho que acham ideal para o lápis, cortem as pontas de forma a deixar cerca de 2cm de fita sem contas, lembrem-se que o lápis vai ser afiado e consequentemente mais pequeno à medida que o tempo passa;
  9. Coloquem algumas gotas de cola no furo da borracha na ponta do lápis;
  10. Coloquem as extremidades da fita no buraco da borracha;
  11. Suavemente introduzam a borracha de volta no buraco, por cima da fita;
  12. Deixem secar.
Façam vários, o tempo despendido é sensivelmente o mesmo e durante o ano precisarão de vários lápis. 
Este exemplo é mais adequado para as meninas, mas pode ser adequado aos nossos rapazes irrequietos. Podem reciclar materiais (como rolinhos de papel, caricas, etc), podem utilizar massas e leguminosas secas (pintadas e envernizadas), podem brincar com jogos de cores, as possibilidades são tantas quantas as ideias que eles tiverem

Et Voilá!
Lápis únicos para crianças únicas


Divirtam-se!

Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 57

São 8,7 milhões as espécies existentes na Terra, 89% das quais permanecem por descobrir.
in Naturlink online

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Testar o tempo de reacção

Quando cai uma lamina, quando se derrama um líquido, quando o carro da frente trava repentinamente ou quando somos atacados, reagimos, uns mais rápido do que outros evitamos o contacto com líquidos quentes, evitamos um choque em cadeia, evitamos ser cortados por uma lâmina. Em qualquer destas situações o corpo sente-se em perigo e reage. A esta reacção chamamos reflexos, estes reflexos são respostas automáticas e involuntárias.

Pessoas diferentes têm reacções diferentes perante o perigo, e por isso o reflexo é diferente. Há pessoas que vendo uma lâmina a cair têm o reflexo de a agarrar, cortando-se; outras simplesmente afastam-se, impedindo o contacto com a lâmina; numa situação de choque em cadeia, algumas pessoas têm o reflexo de travar, outras de se desviar para um dos lados. Outros exemplos poderiam ser dados e concerteza já se lembraram de mais alguns.

Hoje trago-vos uma brincadeira, simples e divertida. Vamos testar os nossos reflexos, quando era mais nova fiz isto com ovos... o resultado foi uma grande omelete no chão da cozinha, hoje vamos usar uma régua.


O que precisamos:
  • Uma régua,
  • Uma tira de cartão, com cerca de 3cm de largura e 20 de comprido,
  • Cola,
  • Tesoura,
  • Papel de lustro de várias cores, pode usar papel branco e pintar com marcadores.
Como fazer
  1. Cortem quadrados de papel de lustro da largura da tira de cartão, podem não ser exactamente quadrados, mas todos do mesmo tamanho;
  2. Se usarem papel branco, pintem os quadrados com as canetas;
  3. Colem os quadrados num dos lados da tira de cartão;
  4. Repitam o processo para o outro lado do cartão, mantenham a ordem das cores;
  5. Deixem secar;
  6. Agarre a tira pela parte de cima;
  7. Peça ao seu irrequieto para colocar os dedos em posição de agarrar a tira em queda, instrua-o para a agarrar o mais depressa possível;
  8. Largue a tira;
  9. Onde a agarrou? Repitam o procedimento pelo menos 3 vezes, para resultados consistentes.
Quanto mais perto da ponta inferior se agarrar a fita mais rápido são os reflexos. A prática permite melhorar o resultado mas quando se atinge determinada cor já não se consegue melhorar.
Este teste, jogo, ou como lhe queiram chamar é único para este estimulo, tira de cartão a cair entre os nossos dedos, não é por ser muito rápido neste teste que vou escapar melhor a uma faca em queda ou a um líquido quente, provavelmente no caso da faca até é mais fácil vir a agarra-la do que a escapar dela.


Tentem alterar a ordem das cores na tira de cartão e repetir o teste. O que acontece? agarram no mesmo sitio? na mesma cor? mais acima? mais abaixo?


Mas como se processam estas reacções:
Os estímulos chegam ao órgão receptor, neste caso o olho, e são enviados à medula, através dos neurónios sensitivos. Na medula, neurónios associativos recebem a informação e emitem uma ordem de acção através dos neurónios motores. Os neurónios motores ou eferentes levam a mensagem ao ao órgão que realizará uma resposta ao estímulo inicial. Este caminho que é seguido pelo impulso nervoso e que permite a execução de um acto reflexo é chamado arco reflexo.


Existem inúmeras substâncias que afectam os nossos reflexos, a começar por todos os medicamentos que têm na bula "não conduzir máquinas". Uma das substâncias que afecta o cérebro é sem dúvida o álcool, apesar de todas as considerações que se poderiam tecer sobre este assunto, vamos apenas trabalhar uma delas.


Qual é o efeito do álcool no cérebro?
Antes de mais é necessário compreender como é que o álcool, etanol, chega ao cérebro.
Quando ingerimos o etanol, ele é rapidamente absorvido no trato gastrointestinal, sendo uma quantidade substancial já absorvida ao nível do estômago. Ao cabo de 1h atinge a concentração sanguínea máxima, depois é oxidado no fígado por enzimas chamadas desidrogenases alcoólicas, transformando-se em aldeído acético, que através do sangue, circula até o sistema nervoso que inclui o cérebro, espinal medula e nervos periféricos.


O etanol possui acção depressora sobre as células nervosas, diminuindo os impulsos nervosos. Pode causar efeitos mínimos quando a concentração sanguínea é mínima, em torno de 46 mg / 100 ml de sangue, pode levar ao coma com concentrações em torno de 300 mg / 100 ml e até mesmo à morte quando atinge concentrações em torno de 500 mg / 100 ml.


O álcool pode alterar os reflexos neurológicos e portanto levar à acidentes, caso a pessoa dirija após beber?
O álcool tem acção depressora sobre o cérebro e pode causar sonolência, desatenção, desconcentração e eventualmente desmaios. Num estudo realizado nos EU em motoristas urbanos, envolvidos ou não em acidentes de trânsito, concluiu-se que:
– com dosagens sanguíneas de 80 mg / 100 ml há aumento de 4 vezes na probabilidade de ocorrerem acidentes;
– com dosagens de 150 mg / 100 ml há aumento de 25 vezes na probabilidade de ocorrerem acidentes.
Em Portugal, por exemplo, é ilegal conduzir com uma concentração sanguínea de etanol superior à 0,5g/L


Fontes: http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso5.asp; http://www.chabad.org.br; http://www.alcoologia.net


Et Voilá!
Se conduzir não beba!


Divirtam-se!

Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 56

Em média, você respira 23.000 vezes por dia
in didyouknow.org

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Água salgada vs água doce


A demonstração de hoje é muito simples mas nem por isso vazia de conhecimento.
Vamos tentar congelar água salgada no frigorífico lá de casa.


Precisamos de:
  • 2 recipientes iguais, podem caixas de plástico pequenas, latas, as couvettes do gelo,
  • 1 colher,
  • sal grosso,
  • água,
  • marcador,
  • congelador, claro.
Como fazer:
  1. Marquem casa um dos recipentes, pode ser "Salgada" e "Sem sal";
  2. Encham os recipientes de água, não precisam de muita água, apenas igual quantidade;
  3. Adicionem sal à água "Salgada", cerca de 2 colheres de sobremesa, deve ser o suficiente;
  4. Homogeneízem, mexam a solução para o sal se dissolver;
  5. Coloquem os dois recipientes no congelador e esperem algumas horas;
  6. Observem as duas amostras, congelaram?
  7. Experimentem colocar sal na amostra que não tem sal, e em princípio está congelada;
  8. Ao fim de 2 ou 3 minutos o que acontece?
O que acontece?
A água do recipiente "Salgada" não congela.
Depois de adicionarmos sal à água "Sem Sal" esta derrete, ficando novamente líquída.
Porquê?
Já vimos aqui que a água quando congela forma uma estrutura cristalina por causa das pontes de hidrogénio,  nesse processo aumenta de volume graças ao espaço deixado entre as moléculas de água, deixando "grandes buracos" na estrutura. O sal dissolvido não se "encaixa bem" nesse cristal e por isso a sua formação é dificultada. 
É claro que a água salgada congela, mas congela a temperaturas muito mais baixas, mais precisamente a -32ºC, o zero na escala de Farenheit- escala usada sobretudo nos EUA. Na escala mais utilizada, Celsius, o zero corresponde à temperatura de congelação da água doce (0ºC).
Depois de adicionar o sal ao recipiente com água doce congelada, agua derrete... isto é o que se faz nos países onde neva, depois de um grande nevão espalha-se sal nas ruas. Este sal vai transformar o gelo em água salgada, o que faz com que o ponto de congelamento baixe para os tais 0ºF (-32ºC) e o gelo volte a ficar líquido, tornando as ruas transitáveis.

Et voilá
Podemos concluir que a água do mar e a do rio congelam a temperaturas diferentes!

Divirtam-se!

Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 55

As florestas tropicais são os habitats mais vitais do planeta. Caracterizados por alta pluviosidade, elas cobrem apenas 6% da terra em todas as regiões tropicais, mas contêm mais da metade de suas espécies vegetais e animais.
in BBC Nature online

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

"Pinhole viewer" com uma embalagem de cereais

Hoje vamos construir um Pinhole Viewer, o termo Pinhole (se lê pinrrole) significa “buraco do alfinete” em inglês e refere-se às cameras fotográficas muito primitivas feitas geralmente com latas.  O termo deve-se justamente ao facto dessas cameras utilizarem um furinho feito com a ponta de um alfinete ao invés de lentes de vidro.
Este visualizador é uma coisa muito entusiasmante de construir e proporciona umas boas horas de divertimento para os miúdos, ao mesmo tempo que estimula a aprendizagem e a compreensão do funcionamento não só da máquina fotográfica como também do olho humano.
Neste caso utilizaremos uma caixa de cereais, pode utilizar outros suportes como latas ou caixas redondas


Precisamos de:
  • Uma embalagem de cereais,
  • Caneta de feltro,
  • Régua,
  • X-Acto,
  • uma agulha ou um alfinete,
  • fita cola,
  • papel de lustro, preto de preferência,
  • papel branco, ou vegetal.
  • uma tesoura, é facultativo mas dá jeito,
Como fazer:
  1. Certifiquem-se  que o interior da embalagem está limpo;
  2. Com a caneta de feltro e a régua dividam a caixa a meio;
  3. Com o x-acto abram uma aba na caixa, conforme a figura;
  4. Cortem uma tira de papel branco ou vegetal tão larga quanto a parte inferior da caixa e um pouco mais comprida que a sua largura, como na figura.
  5. Fixem esta banda de papel na caixa com fita cola; deixem cera de 2 a 3 cm para o fundo da caixa;
  6. Fechem a aba que abriram na caixa, selem-na com fita cola, só para ficar no sítio;
  7. Com o papel de lustro forrem a caixa toda, menos o meio da base da caixa (aonde vão fazer o furo), nós forrámos tudo mas utilizámos fita cola e dupla face forte, o que proporciona uma maior aderência do papel à caixa;
  8. Com o alfinete ou a agulha façam um buraco no fundo da caixa.
  9. Certifiquem-se que a caixa está toda isolada e que não há fugas de luz, excepto claro através do buraco no fundo. Isto é muito importante, especialmente se a caixa é para ser usada ao ar livre.
  10. Cortem uma ligeira curva ao longo das borda de cima da caixa, de modo que a curva da caixa se ajuste à vossa testa.
  11. No final podem decorar a caixa com colagens, desenhos, aplicações... o que quiserem, podem aida, se houver fugas de luz, reforçar o isolamento.
  12. Vão para a rua num dia de sol, apontem a vossa caixa para a paisagem, espreitem por ela, utilizando as mãos para tapar eventuais fugas de luz, se não houver sol podem utilizar uma vela como fonte de luz.
O que acontece?
O papel mostra a imagem da rua a cores mas invertida
Porquê?
Antes de mais, o buraco não faz a imagem. A imagem está sempre lá. Tudo que o buraco faz é tornar possível ver a imagem.
Apesar de muito simples, estes "viewers" obedecem a todas as leis da física para a formação da imagem. Por isso mesmo a imagem formada é invertida.
Os objectos iluminados emite luz em todas as direcções, só que o buraco do alfinete só permite a passagem de alguns desses raios. 
Mas a imagem aparece invertida... Porquê?
Só entra na caixa uma pequena quantidade de luz, que é constituída por raios que são emitidos pelo objecto, estes raios são emitidos em linha recta. Aqueles que saem da parte de cima do objecto projectam-se na parte de baixo da caixa, e os que saem da parte de baixo são projectados na parte de cima. 
Imaginem um molho de palitos fixos numa superfície plana, todos forçados a passar no buraco de um anel, os que entram pelo buraco pelo lado direito saem pelo lado esquerdo, não dobram para se manter à direita, e vice versa para os que entram pela esquerda.
Os palitos são os raios, a superfície é a paisagem e o anel é o pinhole.


O que acontece se fizermos o buraco maior?
A imagem vai ficar mais brilhante (mas não maior), e também mais embaçada.
E se fizermos mais de um buraco no fundo da caixa?
Vamos ter mais de uma imagem.


Fontes: http://cidadeinvertida.blogspot.com/; http://clubedeaventureirosflorestinha.blogspot.com; http://fotografiafacil.wordpress.com; http://www.exploratorium.edu

Et voilá!
Entertenimento em dias de sol


Divirtam-se!

Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 54

Se o sol fosse uma bola oca, poderiamos colocar mais de um milhão de Terras dentro dele.
in http://science.nationalgeographic.com

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dobrar a água sem lhe tocar

Hoje trago-vos mais uma electrização por atrito, mais uma vez com balões. Na verdade o princípio científico que está por detrás deste ensaio/demonstração é exactamente o mesmo que vimos aqui, quando fizemos as bolinhas de papel saltar, mas acho que este efeito visual é mais engraçado e menos visto.


Precisamos de:
  • um balão,
  • uma torneira, com água :),
  • um pano de lã, ou com pelo,
    Como fazer:
    1. Encha o balão;
    2. Abra a torneira, basta um fiozinho de água desde que seja regular;
    3. Aproxime o balão do fio de água, sem lhe tocar. O que acontece?;
    4. Electrize o balão com o pano por fricção;
    5. Aproxime o balão do fio de água, sem lhe tocar. O que acontece?;
    O que acontece?
    No primeiro caso, nada!
    Da segunda vez a água "dobra" é atraída para o balão!
    Porquê?
    A explicação para este fenómeno é exactamente igual às das bolinhas de papel, pelo que aconselho a sua  leitura.

    Deixo-vos um vídeo, não é do mentes irrequietas mas ilustra os resultados:

    Et Voilá!
    Mais uma dos balões!

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 53

    Na tabela periódica, a única letra que não aparece em nenhuma posição é a letra J.
    in http://www.buzzle.com/

    terça-feira, 23 de agosto de 2011

    Porque é que a cebola faz chorar?

    Se há coisa chata na cozinha é descascar cebolas! Muito mais incómodo do que o cheiro que fica nos dedos depois de descascar alhos, é a choradeira que acompanha um bom refogado. A menos que nunca se tenha cozinhado já todos passámos pela experiência de chorar incontrolavelmente em frente a uma cebola.
    O Ary enviou um email e quer saber
    Porquê?
    Todos os organismos vivos são constituídos por células, as células são como bolsas que contêm  macro moléculas específicas, dependendo da espécie, neste caso a cebola (nome cientifico: Allium cepa). Quando cortamos  uma cebola, rompemos as membranas celulares das suas células, aliás como acontece quando cortamos qualquer alimento. 
    No caso da cebola, o rompimento da membrana celular porpociona o contacto de enzimas, denominadas sintetases, com os ácidos sulfénicos. Em condições normais esta reacção não aconteceria porque a estrutura celular da cebola mantém as enzimas e o substrato separados (podem ler mais sobre actividade enzimática, aqui). 
    Neste contacto é produzido um composto sulfúrico volátil irritante. Este composto volátil mistura-se com a água dos olhos provocando irritação e consequente estimulação dos canais lacrimais que produzem lágrimas, para lavar a zona.
    Fontes: about.com 

    Quando a cebola é cozinhada a temperatura inactiva a enzima, daí que ninguém se desfaça em lágrimas enquanto come um bom guisado.
    Para diminuir a irritação enquanto se preparam as cebolas, podemos adoptar várias estratégias, ainda que pessoalmente só tenha comprovado a 100% uma delas:
    1. Descascar a cebola debaixo de água- os componentes celulares das células rebentadas vão diluir-se na água, em vez de nos olhos, se estivermos a picar cebola não é muito prático.
    2. Refrigerar a cebola antes de a arranjar- a temperatura alta desnatura a enzima inativando-a, a temperatura baixa desacelera a reacção também  por inactivação, o que quer dizer que vamos continuar a chorar, mas menos.
    3. Lavar a cebola depois de descascadas mas antes de a cortar- a água que fica na superfície da cebola evitará que o composto volátil chegue aos canais lacrimais.
    4. Usar óculos de protecção- não é muito prático
    5. Beber um golo de água e deixar parte da água na boca enquanto descasca e corta as cebolas- Este é o único procedimento que comprovei funcionar a 100%. Enquanto descascamos a cebola com água na boca, somos obrigados a respirar pelo nariz, o composto volátil entra pelas narinas e encontra um meio apropriado para se dissolver, a água que temos na boca, reparei no entanto que se descascarmos muitas cebolas com a mesma água na boca, que passado algum tempo começamos a chorar, faz todo sentido se pensarmos que a água mais tarde ou mais cedo irá ficar saturada pelo composto volátil e este terá de encontrar mais água para se dissolver, os canais lacrimais.
    Et voilá!
    Não é preciso chorar para comer

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 52

    Há 90 elementos na tabela periódica que ocorrem na natureza. Todos os outros elementos são estritamente feitos pelo homem.
    in http://chemistry.about.com

    sexta-feira, 19 de agosto de 2011

    Paper crafts- Rolinhos de papel

    Hoje trago-vos uma ideia, ou melhor várias, que descobri aqui. É um projecto barato e o efeito espectacular que podemos produzir fascinou a minha mente irrequieta.
    Todas as fotografias são do Reloveddesigns.com, mas conto em breve ter fotografias dos trabalhos das mentes irrequietas cá de casa.
    Hoje temos, arte com rolinhos de papel de revistas. Este projecto é um projecto que toma muito tempo mas vale a pena.


    Este projecto é um projecto fantástico por várias razões:
    • Recicla,
    • As páginas das revistas são ricos em cores e padrões,
    • É um projecto barato (utilizaremos revistas velhas,
    • O resultado final é surpreendente,
    • É um projecto para toda a família.
    Precisamos de:
    • Revistas velhas,
    • Uma faca "corta papel", resulta com outras facas e x-actos mas cuidado com as lâminas!
    • Cola branca
    Como fazer:

    1. Cortem as folhas de revista em tiras largas, de 5 a 7 cm de largura, tentem corta-las todas iguais
    2. Comecem a enrolar o papel na diagonal numa das pontas, comecem o mais "apertado possível" queremos rolinhos fininhos e compridos.
    3. Quando estiverem quase no fim apliquem a cola no papel e terminem o rolo.
    4. Repitam o procedimento para todas as tiras de papel.
    Resultado:
    Um monte de rolinhos.
    Para quê?
    Podem ser utilizados para várias coisas, por exemplo para fazer molduras para fotografias.

    Mas se se sentirem realmente com coragem podem passar para a fase seguinte e fazer rolinhos com os rolinhos.
    Com a ajuda de um cabo redondo, um cabo de vassoura, um cabo de um martelo, um "pau do chinês", uma agulha de croché.... enrolem o tubo, tenham atenção para as voltas ficarem sobrepostas e não entortarem, à medida que vão enrolando o tubo vai ficando plano, no final o resultado será uma roda/espiral, com um buraco do tamanho do objecto redondo que utilizou, aplique cola nos 3 ou 4 cm finais. Depois de aplicar a cola segurem a roda/espiral durante algum tempo para garantir que não se desfaz.


    Para fazer o cesto das imagens precisamos de cerca de 200 rolinhos destes, não é propriamente rápido mas podemos fazer outras coisas.







    O que quer que queiram fazer com estes rolinhos de papel, se se entusiasmarem permitam-me um conselho, adquiram uma pistola de cola, não são caras e facilitam enormemente o trabalho. Esta cola é forte e seca rápido.


    Et voilá!
    Toca de atacar o cesto das revistas!

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 50

    O seu coração bate 101 mil vezes por dia. Durante toda a sua vida irá bater cerca de 3 bilhões de vezes e bombear cerca de 378 milhões de litros de sangue. Um coração normal bate 70-80 vezes por minuto. Em cerca de 70 ou 80 anos, ele baterá bilhões de vezes.
    in didyouknow.org

    quinta-feira, 18 de agosto de 2011

    Esferas flutuantes

    As demonstrações cientificas são fantásticas, algumas têm efeitos visuais espetaculares, outras encerram conceitos complexos em procedimentos tão simples como aquele que vimos com o balão e as bolinhas de papel.
    Hoje o que vos trago é mais uma demonstração de como a diferença de densidade nos permite "quase fazer magia", já vimos uma coisa muito semelhante aqui, com uma uva, água e açúcar. Desta vez vamos utilizar água, álcool e óleo.

    Precisamos de:
    • Copo transparente,
    • Água,
    • Álcool,
    • Um pau fino, ou de espeto, pode ser uma colher, mas é mais difícil,
    • Óleo alimentar,
    • Conta gotas.
    Como fazer:
    1. Coloque água no copo, até cerca de metade;
    2. Com muito cuidado coloquem dois dedos de álcool no copo. A melhor maneira de fazer isto é colocar o pau ou a colher dentro do copo, sem que esta toque na água, e deixar escorrer o álcool ao longo do pau/colher, como vimos aqui e aqui. Este passo pode demorar algumas tentativas para dominar;
    3. Com o conta gotas deitem algumas gotas de óleo no copo.
    O que acontece?
    O óleo forma esferas que ficam a boiar na fronteira entre a água e o álcool.
    Porquê?
    O álcool é mais leve do que a água, ainda que hidrosoluvel o álcool não se mistura com a água se o copo não for agitado. Como é mais leve que a água, flutua, formando uma camada superior tão espessa quanto a quantidade de álcool que adicionarmos. O óleo, por sua vez, é mais pesado que o álcool mas mais leve do que água e por isso fica "preso" e flutua na fronteira entre a água e o álcool, toma a forma esférica porque como vimos aqui a natureza tende para a poupança de energia e recursos e a esfera garante essa poupança.


    Se prepararem o copo longe de olhares indiscretos podem surpreender uma quantidade de irrequietos, miúdos e graúdos, que estejam mais distraídos
    Et voilá!
    Its a kind of magic.

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 49

    A probabilidade de ganhar o euromilhões é 1 em 116,531,800. Alguns matemáticos dizem que a probabilidade de ser atingido por um relâmpago é de “apenas” 1 em cada 700,000 – ora isto significa que é quase 170 vezes mais provável do que ganhar o euromilhões!
    in dinheiro.pt

    quarta-feira, 17 de agosto de 2011

    Puzzle com pauzinhos de gelado

    A ideia de hoje não é de todo original, mas é concerteza uma forma brilhante de os ocupar durante algum tempo.
    Para esta actividade é necessário recolher alguns pauzinhos de gelado, não é muito importante de que gelado é, apenas que sejam todos do mesmo tamanho preferencialmente todos de madeira.
    Vi esta ideia na net, ainda que não me lembre da fonte.

    Precisamos de: 
    • Pauzinhos de gelado, cerca de 20,
    • Fita cola, a suficiente para fixar os pauzinhos a uma superfície,
    • Superfície lisa, tipo mesa,
    • Uma imagem, ou para os mais atrevidos, canetas e/ou tintas,
    • Cola,
    • x-acto.
    Como fazer:
    1. Depois de reunirem os pauzinhos de gelado, lavem-nos muito bem, não queremos que o puzzle fique pegajoso;
    2. Estiquem a vossa imagem sobre a mesa, com o desenho para baixo, os mais irrequietos podem desenhar numa folha e utilizar essa imagem;
    3. Passem cola em toda a superfície do papel, deixem uma camada fina, não exagerem senão o papel deforma;
    4. Coloque os pauzinhos por cima, comecem por colocar o de cima e vão encostando os outros, lado a lado, com o minímo de espaço entre eles, não se preocupem se eles se colarem uns aos outros;
    5. Repitam o procedimento até que todo o desenho que querem utilizar no puzzle esteja coberto com pauzinhos de gelado;
    6. Deixem secar, muito bem, o papel tem de ficar duro;
    7. Com o x-acto separem os pauzinhos;
    8. Cada pauzinho é uma peça do puzzle.


    Et voilá!
    Os pauzinhos tinha de servir para alguma coisa!
    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 48

    A China é o país que produz mais ovos, cerca de 160 bilhões por ano. Nos EUA, cerca de 280 milhões de galinhas produzem mais de 65 bilhões de ovos por ano. Uma galinha pode colocar cerca de 250 ovos por ano.
    in didyouknow.org

    terça-feira, 16 de agosto de 2011

    Fazer carimbos de EVA

    Todas as crianças gostam de carimbos, lembro-me que quando era criança a minha professora tinha uma caixinha cheia de carimbos, dividida em temas, "letras", "profissões", "desportos", "países".... na altura ainda não existia Internet nem impressoras por isso presumo que fosse a coisa mais próxima de uma impressão. Fosse uma necessidade ou um requinte da professora, eu adorava aquelas imagens, aguardava ansiosamente pelo momento de carimbar o caderno.
    Hoje o que vos trago é uma forma simples de recriar esses carimbos, com menos pormenores, claro.

    Precisamos de:
    • Rectângulos de madeira, pode ser qualquer tamanho disponível, restos da bricolage, eu prefiro qualquer coisa tipo 6cmx6cm com 1cm de altura, maior que isso torna-se complicado,
    • Pinos de madeira daqueles que servem de junção nos móveis pré cortados,
    • Pregos,
    • Martelo,
    • Espuma EVA,
    • Tesoura afiada ou x-acto,
    • Lixa fina,
    • 1 caneta,
    • 1 almofada de carimbo,
    • Cola, convém ser forte, não necessita de ser super-cola.
    Como fazer:
    1. Comecem por lixar os rectângulos de madeira, principalmente as esquinas, arredondem-nas, se conseguirem;
    2. Cortem rectângulos de espuma EVA ligeiramente mais pequenos que o tamanho dos rectângulos;
    3. Martelem um prego mesmo no centro de cada um dos rectângulos de madeira, martelem o suficiente para ele "não sair" pelo outro lado;
    4. Virem o rectângulo ao contrário, martelem o rectângulo de madeira "para baixo" de forma a deixar o prego à vista, deverá querer fazer isto colocando uma outra madeira por baixo, para não ferir a superfície;
    5. Com o prego "à vista" martelem o pino, de forma a conseguirem uma pega para o vosso carimbo;
    6. Ponham a estrutura do carimbo de parte, está na altura de se concentrarem no que querem carimbar;
    7. Peguem nos rectângulos de EVA e com a caneta desenhem o vosso desenho, preencham o máximo de superfície que conseguirem, qualquer coisa simples, lembrem-se que desenhos com muitos pormenores não vão funcionar, as ferramentas de que dispõem não o permitem;
    8. Com o x-acto, ou a tesoura recortem o desenho na EVA, recortem tudo da espuma menos os contornos do desenho;
    9. Colem a EVA ao vosso bloco de madeira;
    10. Deixem secar bem, para não se soltar a meio da brincadeira;
    11. Coloquem tinta no carimbo com a almofada e carimbem! Cuidado, a tinta dos carimbos é complicada de sair.

    Et voilá!
    Um regresso ao passado simpático

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 47

    Júpiter é tão grande que poderiam caber todos os outros planetas do sistema solar dentro dele.

    segunda-feira, 15 de agosto de 2011

    Construção de uma caixa de tacto

    Como já vimos aqui o tacto é um dos 5 sentidos, para saber mais sobre este tema consultem a página "Um teste simples para enganar o sentidos".
    O desafio de hoje tem como objectivo desenvolver a sensibilidade táctil de uma forma divertida através da construção de uma caixa tactil, uma caixa fechada, com um buraco para colocar a mão, dentro da caixa colocaremos vários objectos com várias texturas, e particularidades tácteis.


    Precisamos de:
    • 1 caixa de sapatos, também podem utilizar uma caixa de cereais daquelas mais largas,
    • Rolhas, lixa grossa, grão seco, algodão, lã...
    • Papel de lustro preto,
    • Papel prateado,
    • Cola,
    • 1 tira de cartão.
    Como fazer:
    1. Abram um buraco na caixa, suficientemente grande para colocar uma mão lá dentro;
    2. Forrem a caixa com o papel de lustro preto;
    3. Cortem figuras no papel prateado e colem-nas no fundo preto, para dar um aspecto "mágico", luas, estrelas, sóis...;
    4. Cortem a tira de cartão de forma a que caiba dentro da caixa de sapatos;
    5. Cole, em zonas separadas, os materiais, as rolhas, o grão, o agodão, a lã, etc, se o seu irrequieto não vir este procedimento será mais divertido para ele/a adivinhar "o que é";
    6. Coloque a tira dentro da caixa e deixe a criança sentir.
    NOTA: Podem fazer várias tiras de cartão com vários materiais,reutilizando sempre a mesma caixa podem ter divertimento para muito tempo


    Et voilá!
    Uma caixinha mistério
    Divirtam-se!

    sexta-feira, 12 de agosto de 2011

    Lenda do arroz no tabuleiro de xadrez

    Hoje trago-vos algo diferente, uma história que dá que pensar, uma lenda que nos mostra que nem tudo o que parece é, e que a intuição matemática não deve ser desprezada (sim intuição e matemática são aparentemente incompatíveis).
    A lenda diz que um imperador da antiguidade recompensou o inventor do xadrez quando este introduziu o jogo no seu reino deixando-o escolher a sua compensação.

    Conta a história que este rei valente e poderoso da Índia se chamava Kaid e havia construído um imenso império, e depois de ter cumprido tudo o que ele queria na vida, viu-se muito aborrecido.
    O rei enviou uma proclamação a todos os seus domínios e terras dizendo que seria concedido tudo o que quisesse no seu Reino a quem o pudesse aliviar do seu tédio . A notícia espalhou-se rapidamente e pessoas de todas as terras apareceram tentando aliviar o tédio do rei. Poetas, malabaristas, filósofos, acrobatas, palhaços e dançarinos, todos tentaram alegrar o rei sombrio. Mas sem sucesso, o rei ficou muito aborrecido.

    O seu Ministro Sassa lembrou-se então de um jogo raro, a invenção de um antigo sábio grego chamado Hermes, que havia sido recentemente introduzido na Índia por Alexandre e os seus soldados, que costumavam jogá-lo nos momentos de lazer.
    Sassa modificou o jogo e o tabuleiro de 112 quadrados e 56 peças para 64 quadrados e 32 peças e explicou-o ao rei que o jogou com satisfação e prazer, encontrara um jogo tão incrível e um substituto perfeito para a guerra, que fez dele um homem feliz novamente. Não tardou para toda a corte o começar a jogar durante horas a fio.

    O rei perguntou a Sassa: "Como posso recompensá-lo? Ouro ou jóias? Talvez você queira se casar com uma das minhas filhas? Escolha o que quiser "
    Sassa respondeu: "Vossa Majestade, tudo que eu peço é o seguinte: Coloque um grão de arroz na primeira casa do tabuleiro, 2 grãos na segunda casa, 4 grãos na terceira casa, e assim sucessivamente, duplicando sempre a casa anterior na casa seguinte, até ter as 64 casas preenchida"


    Todos ficaram admirados com a ministro, já que ele não queria mais que alguns grãos de arroz, depois de ganhar tal prémio. O Rei Kaid no início pensou que até lhe tinha saído barato e prontamente concordou.
    Os Ministros do rei mandaram vir algumas hastes de grãos, em seguida alguns baldes, depois algumas vasilhas e, em seguida ... perceberam que iam necessitar de alguns campos de arroz! Depois disso, pediram ajuda a um matemático. O matemático disse aos Ministros e ao rei que a quantidade de arroz que Sassa pediu levaria todo o arroz do mundo inteiro!
    O rei imediatamente mandou chamar o Ministro Sassa. Quando o rei lhe perguntou por que é que ele tinha feito uma coisa dessas sabendo que o rei não poderia atender a solicitação, Sassa respondeu-lhe com uma história:


    "Um dia, enquanto sua alteza voltava para casa das guerras cruzou-se com um homem que sabia que era sábio e pediu-lhe para lhe dizer qual o sentido da vida. Você disse que não tinha muito tempo porque o negócio do Estado havia tomado todo o seu tempo.
    Ele baixou-se e pegou num grão de arroz, segurou-o e disse: Todos os mistérios da vida, as intrigas e aventuras foram encontrados num grão de arroz. Você estava com muita raiva porque você pensou que o homem sábio o tinha feito perder tempo. Eu era esse homem. Eu não queria o arroz. Eu só lhe queria ensinar uma lição."

    O Rei e o Ministro riram juntos e tornaram-se bons amigos e jogaram xadrez juntos quase todas as noites até ao fim dos seus dias.


    Esta história não pode ser historicamente confirmada e aparece na literatura com muitas variações.
    Este conto, seja factual ou não, é muitas vezes usado pelos matemáticos para explicar o conceito de crescimento exponencial. É difícil imaginar que, usando esta fórmula simples o valor acumulado é  18,446,744,073,709,551,615 grãos de arroz, em apenas 64 passos.

    Um exemplo prático. Imagine que uma pessoa tinha que escrever o nome de apenas duas pessoas que ele ou ela conhecem e cada uma dessas pessoas tinha que fazer o mesmo, mas nenhum nome ou pessoa pode ser usado duas vezes ou ser duplicado.
    Ao comparar este exercício com a analogia do grão no tabuleiro de xadrez, rapidamente se torna evidente que simplesmente não existem pessoas suficientes no mundo inteiro para completar a tarefa.


    Outro exemplo de crescimento exponencial são os negócios piramidais, eu arranjo 2 pessoas que por sua vez arranjam mais duas, e mais duas, e assim sucessivamente, o primeiro nível tem 1 pessoa (eu) o segundo tem 2 (as que eu arranjei), o terceiro tem 4, depois 8... no nível 64 vai haver tantas pessoas como na história dos grãos de arroz.


    Fontes: http://www.chess-poster.com; http://www.veldfundi.co.za


    Et Voilá!
    Da próxima vez faça as contas


    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 43

    Cada vez que respiramos utilizamos 90 músculos diferentes
    In "É incrível mas é verdade"

    quinta-feira, 11 de agosto de 2011

    Demonstração da actividade enzimática

    Antes de mais, quem se lembra disto?




    Pois é, os glutões! Estes seres redondos azuis ou verdes de escova na mão a esfregar as T-Shirts muito sujas não são mais do que enzimas.
    As enzimas são proteínas e actuam como catalisadores num grande número de reacções bioquímicas, um catalisador é qualquer coisa que ajuda a que outra coisa ocorra mais depressa e com mais eficiência, no caso das enzimas o que elas fazem é baixar a energia necessária para que um reacção química aconteça. Muito se pode dizer sobre estas moléculas mas basicamente são proteínas que "partem" aos bocados outras moléculas orgânicas. Uma das imagem mais comuns é a de  uma tesoura- a nossa enzima-, a cortar um colar de contas- a nossa molécula, falta acrescentar que os aminoácidos, que são os constituintes das proteínas, são nesta imagem as contas.
    Sim, mas porque é que os detergentes têm as enzimas?
    As enzimas são altamente eficientes, e por isso são utilizadas num sem número de industrias, para fazer um sem número de tarefas, a título de exemplo, a enzima alfa-lipase, é utilizada para produzir a forma natural do ácido palmítico das preparações lácteas para bebés prematuros.
    No nosso organismo estão envolvidas em milhares de reacções (bio)químicas, as mais flagrantes são as que acontecem no sistema digestivo, os alimentos são digeridos por acção enzimática. 
    Uma das industrias que beneficia com estes catalisadores é a industria dos produtos de limpeza, no caso do Presto, dos detergentes da roupa. Os glutões, enzimas, actuam como "tesouras" sobre as nódoas de gordura e proteínas da roupa, digerindo, literalmente, a nódoa.


    Fig1
    O que vos proponho hoje é uma autêntica demonstração desta digestão.


    Precisamos de:
    • Detergentes, se tiver mais do que um é o ideal, para ver as diferenças,
    • Frascos de vidro, com tampa, tantos quantos os detergentes que tiver mais um,
    • 1 Ovo,
    • 1 panela para cozer o ovo,
    • 1 faca,
    • Coador.
    Como fazer:
    Fig2
    1. Cozam o ovo;
    2. Descasquem e retirem-lhe a gema, com cuidado para não estragar muito a clara;
    3. Com a faca cortem a clara em bocados iguais, de forma a que tenha 2 ou 3 por frasco;
    4. Encham os frasco de água;
    5. Coloquem um colher do detergente A no primeiro fraco, um colher do detergente B no segundo, e assim sucessivamente;
    6. No último não coloquem nada, vai servir de controlo;
    7. Mexam as soluções para ficarem homogéneas;
    8. Juntem a clara do ovo;
    9. Fechem bem as tampas, rotulem os frascos com o nome dos detergentes, e guardem num armário, onde possam ficar durante 3 dias;
    10. Com a ajuda de um coador, vertam os frascos, um a um, e com jeitinho retirem a clara do ovo (ou o que restar dela)
    11. Comparem os resultados dos vários frascos.
    O que aconteceu?
    Fig3
    Nas imagens utilizámos três frascos, fig1, da esquerda para a direita, clara do ovo depois de 3 dias exposta a detergente corrente, clara do ovo depois de 3 dias exposta a detergente para tecidos delicados e finalmente no frasco 3 a clara do ovo que colocámos em água. Por comparação (fig2) dos três conjuntos de clara do ovo concluímos que no caso do detergente corrente a clara diminuiu de volume cerca de 3 vezes (fig3), já a clara que estava no segundo frasco ficou com um aspecto gelatinoso e parece inchada (fig4). O controlo (terceiro frasco) não apresentou qualquer alteração (fig5).
    Fig4
    Fig5


    Porquê?
    Um ovo é constituído por duas partes distintas, a clara de ovo e a gema. A gema é essencialmente proteína, em contra partida a gema tem alto teor de gordura. Por esta razão isolámos a clara do ovo para esta demonstração, queríamos demonstrar a actividade enzimática dos detergentes da roupa sobre as proteínas (nódoas mais comuns e chatas de tirar). 
    As moléculas sobre as quais as enzimas actuam são denominadas de "substrato". A clara do ovo é o substrato perfeito para este ensaio, por ser proteína quase a 100%. 
    Quando colocámos a proteína numa solução com detergente, os glutões- enzimas- fizeram aquilo que sabem fazer... catalisaram reacções (bio)químicas e "desmontaram"- como se fossem tesouras- as proteínas- o nosso colar- em aminoácidos- as nossas contas. O que nos permite concluir que a clara do ovo do frasco da fig3 foi digerida pela actividade enzimática presente na solução de detergente.

    Isto é apenas uma demonstração da existência de actividade enzimática no detergente utilizado, facilmente se pode transformar este ensaio numa experiência entusiasmante, utilizem vários detergentes e tira nódoas que tenham ai por casa, pesem as claras antes de as colocar nas soluções, quando as tirarem pesem-nas de novo, dividam o peso inicial pelo peso final e obtêm um valor comparável que lhes permitirá dizer qual é o detergente mais eficiente, não se esqueçam do controlo.
    Outra opção é variar os tempos de digestão... ao fim de um dia, dois, três... quando se dá a digestão completa?
    Também podem experimenta com outro tipo de alimentos.
    NOTA: Registem todos os valores e condições dos ensaios.


    Et Voilá!
    Digestão na máquina de lavar

    Divirtam-se!

    Factos- Curiosidades instantaneas, só juntar água 42

    Um hipopótamo só aguenta 5 min debaixo de água.
    In "É incrível mas é verdade"

    quarta-feira, 10 de agosto de 2011

    Façam as vossas próprias caixas

    make boxes
    Hoje o desafio é construir caixas, embalagens para todo o tipo de usos. Este é um projecto Super-irrequieto do PlanetPals e é super útil para embrulhar presentes ou guardar pequenos objecto, senão vejam.


    Utilizem estas templates para construir as suas próprias caixas. Use o verso das caixas antigas de cereais, e siga o conselho da PlanetPals, a fonte destes modelos.


    Templates do Planet Pals, para imprimir, recortar, e copiar para outros suportes:


    Caixa "fatia de bolo":


    Caixa quadrada plana:



    Caixa oblonga oval:


    Caixa piramidal pequena:


    Caixa quadrada oval:


    Caixa quadrada aberta:



    Caixa quadrada fechada:


    A Planet Pals também nos deixa algumas dicas fantásticas para a construção das nossas caixas. O truque é ser criativo e utilizar materiais que estão à mão.
    1. Usem retalhos de pano e tecido como se fosse papel.
    2. Embrulhem um presente num cartaz ou uma foto de página inteira de uma revista.
    3. Papel de parede faz um embrulho único e resistente.
    4. Usem partituras antigas ou páginas do calendário antigo como papel de embrulho.
    5. Usem desenhos infantis ou páginas livro de colorir para embrulhar presentes menores.
    6. Reutilizem papel do ano passado
    7. Usem mapas coloridos, mas ultrapassados como papel de embrulho.
    8. O jornal é óptimo para presentes maiores.
    9. Usem latas de café, caixas de aveia, kleenex caixas, recipientes de comida chinesa, latas ou caixas de cereais e cubram-nas de criatividade.
    10. Em vez de enfeites usem botões e missangas.
    11. Usem um ornamento ou um brinquedo em vez de um laço.
    12. Dobrem um objecto origami em vez de um laço - como uma estrela de origami.

    Et Voilá!
    Uma ideia prática da Planet Pals


    Divirtam-se!

    Dê uma olhadela

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...